PROPOSTA PEDAGÓGICA

A proposta pedagógica do Colégio Francisca Paula de Jesus está pautada na formação humana inspirada no exemplo de Francisco de Assis, baseada nos princípios éticos da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem comum; nos princípios políticos dos direitos e deveres de cidadania, do exercício da criticidade e do respeito à ordem democrática; nos princípios estéticos da sensibilidade, da criatividade e da diversidade de manifestações artísticas e culturais; nos princípios humanos e cristãos-franciscanos pautados pela paz e pela solidariedade.

A organização institucional segue sob as orientações da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB nº 9394/96 e pela BNCC, que norteiam a Educação desde a Educação Infantil ao Ensino Médio; bem como sob as orientações do Conselho Estadual de Educação.

Para o Colégio Francisca Paula de Jesus, educar significa idealizar a inspiração franciscana como elemento norteador da relação professor-aluno. Esse princípio tem se destacado como uma das características mais marcantes da escola, uma vez que o educador, sem se destituir de seu papel de articulador de saberes, mantém com o educando uma convivência pontuada pelo afeto e pela sensibilidade.

A prática filosófico-pedagógica do IFPJ tem como fundamentos os seguintes enfoques metodológicos: educação contextualizada, identificando o que pretendemos como algo integrante de um determinado contexto cultural/espacial/temporal; integração das áreas de conhecimento, discutindo o objeto de estudo e/ou investigação, relacionando-o com o contexto geral; currículo integrado, compreendendo a integração do desenvolvimento afetivo, emocional, cognitivo e social; pensamento crítico, desmitificando a verdade única e imutável; aprender a aprender, consolidando o conhecimento científico por meio da relação teoria/prática. Mesmo sendo uma escola privada, sua inspiração franciscana traz uma bagagem de simplicidade nas relações hierárquicas da instituição.

A utopia dessa instituição é fazer ingressar na sociedade um ser humano pleno, capaz de reflexão permanente, dotado de sensibilidade para as diferenças e para as injustiças; capaz de exercer sua profissão com ética e fazer de sua ação um meio de crescimento e consolidação dos valores humanos.

Como recurso pedagógico, contamos com a Plataforma de Ensino da Rede Pitágoras nosso Parceiro, que produz material pedagógico de excelência, garantindo eficiência e apoio à toda equipe pedagógica e ao educando, com soluções tecnológicas e inovadoras, propiciando as múltiplas formas de aprender.


EDUCAÇÃO INFANTIL

De acordo com a BNCC trabalhamos com foco nos eixos estruturais, direitos de aprendizagem da criança e campos de experiência. Eles já existiam, mas com a Base ganham um enfoque maior na prática pedagógica e na rotina escolar.

Os eixos estruturais, interagir e brincar, são importantes para que a criança consolide sua aprendizagem. É a partir da brincadeira e da interação que ela desenvolve, nesta etapa, as estruturas, habilidades e competências que serão importantes ao longo de toda a vida.

Na Educação Infantil estabelece seis direitos de aprendizagem: conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se. São eles que asseguram as condições para que as crianças “aprendam em situações nas quais possam desempenhar um papel ativo em ambientes que as convidem a vivenciar desafios e a sentirem-se provocadas a resolvê-los, nas quais possam construir significados sobre si, os outros e o mundo social e natural” (BNCC).

O que isso pressupõe no contexto da Educação Infantil é a partir destas ações, utilizar os campos de experiência.

Campos de experiência

As interações e as brincadeiras fazem parte dos eixos estruturais da Educação Infantil e são eles que asseguram às crianças os direitos de aprendizagem. Levando isso em consideração, a BNCC na Educação Infantil é estruturada em cinco campos de experiência.

Os campos de experiências constituem um arranjo curricular que acolhe as situações e as experiências concretas da vida cotidiana das crianças e seus saberes, entrelaçando-os aos conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural. (BNCC)

Assim, ao considerar esses saberes e conhecimentos, a BNCC estrutura os campos de experiência da seguinte forma:

• O eu, o outro e o nós
• Corpo, gestos e movimentos
• Traços, sons, cores e formas
• Escuta, fala, pensamento e imaginação
• Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

A Escola atende crianças de creche e pré-escola, na faixa etária abaixo especificadas:

Creche:

• Berçário I: aproximadamente de 04 meses a 11 meses
• Berçário II: de 1 ano a 1 ano e 11 meses
• Maternal I: de 2 anos a 2 anos e 11 meses
• Maternal II: de 3 anos a 3 anos e 11 meses

Pré-Escola:

• Pré-Escola I: de 4 anos a 4 anos e 11 meses
• Pré-Escola II: de 5 anos a 5 anos e 11 meses

A Escola utiliza práticas de educação e cuidados que possibilitem a integração dos aspectos: afetivos, emocionais, físicos, cognitivos, psicológicos e sociais das crianças. A partir do reconhecimento de sua identidade pessoal e entendendo que ela é um ser completo, total e indivisível que se desenvolve pela interação com seus pares, com os adultos e com o meio em que vive, a Escola direciona seu trabalho buscando atender de forma global a criança, através de um ensino dinâmico, que fomente a curiosidade, a ludicidade, a descoberta, a construção de noções e o desenvolvimento de aspectos anteriormente citados.


ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS (EFAI) - 1º ao 5º Anos

A proposta da BNCC Ensino Fundamental − Anos Iniciais é a progressão das múltiplas aprendizagens, articulando o trabalho com as experiências anteriores e valorizando as situações lúdicas de aprendizagem.

Segundo o documento da BNCC:

Tal articulação precisa prever tanto a progressiva sistematização dessas experiências quanto o desenvolvimento, pelos alunos, de novas formas de relação com o mundo, novas possibilidades de ler e formular hipóteses sobre os fenômenos, de testá-las, de refutá-las, de elaborar conclusões, em uma atitude ativa na construção de conhecimentos. (BNCC)

Portanto, ao compreender as mudanças no processo de desenvolvimento da criança − como a maior autonomia nos movimentos e a afirmação de sua identidade − a BNCC Ensino Fundamental − Anos Iniciais propõe o estímulo ao pensamento lógico, criativo e crítico, bem como sua capacidade de perguntar, argumentar, interagir e ampliar sua compreensão do mundo.

Ao longo do Ensino Fundamental – Anos Iniciais, a progressão do conhecimento ocorre pela consolidação das aprendizagens anteriores e pela ampliação das práticas de linguagem e da experiência estética e intercultural das crianças, considerando tanto seus interesses e suas expectativas quanto o que ainda precisam aprender. (BNCC)

Além disso, nossa proposta pedagógica assegura, um percurso contínuo de aprendizagens e uma maior integração entre as duas etapas do Ensino Fundamental.

Alfabetização

A partir da implementação da Base, toda criança deverá estar plenamente alfabetizada até o fim do 2º ano. Antes, esse prazo era até o terceiro ano – de acordo com o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC).

Portanto, nos dois primeiros anos do Ensino Fundamental, o foco da ação pedagógica deve ser a alfabetização. Isso é sistematizado pela BNCC nos tópicos abaixo, que mostram as competências e as habilidades envolvidas no processo de alfabetização, e que a criança deve desenvolver:

• Compreender diferenças entre escrita e outras formas gráficas (outros sistemas de representação);
• Dominar as convenções gráficas (letras maiúsculas e minúsculas, cursiva e script);
• Conhecer o alfabeto;
• Compreender a natureza alfabética do nosso sistema de escrita;
• Dominar as relações entre grafemas e fonemas;
• Saber decodificar palavras e textos escritos;
• Saber ler, reconhecendo globalmente as palavras;
• Ampliar a sacada do olhar para porções maiores de texto que meras palavras, desenvolvendo assim fluência e rapidez de leitura (fatiamento).

Ao longo dos próximos anos processo de alfabetização será complementado com foco na ortografia, que ampliará os conhecimentos e as habilidades linguísticas do estudante.


ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS (EFAF) – 6º ao 9º Ano

O Ensino Fundamental é caracterizado por ser a etapa mais longa da Educação Básica (9 anos). Durante esta fase, os alunos passam por muitas mudanças relacionadas ao seu desenvolvimento físico, emocional, social, à sua capacidade cognitiva e à sua rotina dentro e fora da escola. O Ensino Fundamental atende desde crianças com 6 anos de idade a adolescentes com 14 anos de idade. É um período de grandes transformações!

Para abranger as competências e habilidades a serem desenvolvidas durante essa fase tão complexa, divide-se a etapa do Ensino Fundamental entre os Anos iniciais (1º ao 5º Ano) e os Anos finais (6º ao 9º Ano). A abordagem pedagógica nessas duas etapas apresenta várias características comuns. Nos Anos finais do Ensino Fundamental, no entanto, ela se direciona cada vez mais para a intenção de despertar a autonomia e o protagonismo dos estudantes, preparando-os para o ingresso no Ensino Médio.


ENSINO MÉDIO

O Ensino Médio da escola Francisca Paula de Jesus busca a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, a preparação básica para o trabalho e a cidadania, para que o jovem possa continuar aprendendo, sendo flexível e capaz de se adaptar às novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores, que lhes serão cobrados na vida adulta na qual eles estão prestes a ingressar.

Além disso, nessa etapa, os alunos recebem os elementos necessários para enfrentar com excelência os desafios dos vestibulares e da prova do ENEM. São instruídos quanto ao desenvolvimento da escrita dissertativo-argumentativa, exigida na redação do ENEM e nas propostas de texto de outros vestibulares, e também quanto ao aprimoramento da escrita de texto em outras modalidades. A proposta da escola, visa ao crescimento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico.

Os conteúdos, as metodologias e as formas de avaliação são organizados de tal forma que, ao final do Ensino Médio, o aluno demonstre:

Domínio dos princípios científicos e tecnológicos que presidem a produção moderna;
Conhecimento das formas contemporâneas de linguagem;
Domínio dos conhecimentos de Filosofia e Sociologia, necessários ao exercício da cidadania.
Desenvolvimento do raciocínio, da experimentação e da solução de problemas;
Desenvolvimento de competências cognitivas e sociais, com preservação da identidade pessoal, servindo de termômetro nas relações sociais, na observância de valores, nos direitos humanos e nos direitos e deveres de cidadania.

O currículo se organiza em três grandes áreas de conhecimento:

A área das linguagens, seus códigos de apoio e suas tecnologias;
A área das ciências da natureza e suas tecnologias;
A área das ciências humanas e sociais e suas tecnologias.


O currículo, organizado por área de conhecimento, não significa eliminar as disciplinas, mas colocá-las em um permanente diálogo, conforme as afinidades entre elas e delas com os problemas da realidade que se quer que os alunos compreendam e interpretem para propor soluções.

O Ensino Médio é a etapa final da educação básica. Nessa fase, os estudantes vivenciam grandes transformações e demandam um trabalho pautado no desenvolvimento das habilidades cognitivas e socioemocionais.

O currículo do Ensino Médio tem como objetivo consolidar, aprofundar e ampliar os conhecimentos desenvolvidos durante o Ensino Fundamental por meio das áreas de conhecimento e dos seus componentes curriculares, sempre adequados ao projeto político pedagógico do IFPJ.

Alinhado à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a proposta do IFPJ é promover um ensino baseado na mobilização, articulação e integração de conhecimentos, atitudes e valores. Além disso, a orientação para os projetos de vida objetiva para que os estudantes possam fazer escolhas sadias que lhes proporcionem sucesso pessoal e profissional.