IFPJ – Instituto Francisca Paula de Jesus

Identidade Franciscana

São Francisco não foi professor nem mesmo teórico da educação, mas sim um místico e poeta. Olhar para ele como inspiração para uma proposta pedagógica não significa encontrar em seus escritos ou em seu exemplo receitas ou recomendações a serem aplicadas em prol do desenvolvimento de um conhecimento teórico. São antes dimensões, atitudes, posturas ou temas que ressaltam de sua vida e que, compõem fundamentalmente o labor de educar numa perspectiva franciscana. Educar a partir de uma inspiração franciscana implica alguns pontos essenciais:

Educar para o cuidado com o singular

No mundo polarizado e massificado que vivemos, mais do que nunca precisamos despertar para a cultura da singularidade, que nos leva a compreender que não há uma obrigação social de estar deste ou daquele lado, mas que cada pessoa em sua singularidade tem a liberdade de construir seus próprios valores e abraçar suas causas, desde que estes não firam a ética humana, social e ecológica. Educar para o cuidado com o singular significa ajudar o educando a perceber seu valor e reconhecer seu potencial único, mas também valorizar e respeitar a singularidade de outrem. Significa ajudar as pessoas a valorizar sua vida, seu cotidiano, contra sua desvalorização, imposta pela cultura da moda e do extraordinário. Implica levar a sério e comunicar as experiências pessoais de humanização e de sentido que fazemos no cotidiano.

Educar para a utopia, o sonho, o desejo de humanização

A educação pode apontar o ser humano para valores nobres da existência, pode ajudá-lo a transcender o pragmatismo imediato do diploma, da carreira, da realização dos desejos pessoais em detrimento do coletivo, do retorno imediato do investimento: ou seja, ajudá-lo a perceber que os horizontes da vida vão muito além da gratificação instantânea imposta pelo mercado e que o conhecimento é um bem que não pode se tornar objeto de barganha nem moeda de troca. Educar para a humanização significa contribuir para o educando despertar dentro de si os mais caros valores que nos tornam verdadeiramente humanos, seres em constante processo de humanização, tendo em Jesus Cristo a meta e o modelo perfeito de humanização.

Educar para a sensibilidade, para a fineza de alma, a cordialidade do espírito

Educar em uma perspectiva franciscana implica despertar nos educandos um olhar de contemplação e cuidado para o belo que se apresenta nas mais variadas manifestações artísticas e despertar neles sua maneira própria de reconhecer e manifestar sua beleza interior. Implica ainda despertá-los para a beleza de toda criação e para a importância de sua preservação e cuidado.

Educar para a autonomia

Além de assumir responsabilidades e tarefas e leva-las a cabo, autonomia significa o longo processo de constituir-se sujeito da própria história, de na vida, dar-se rumo e sentido. O que sempre implica diálogo, encontro e enfrentamento com outras subjetividades. Autonomia implica ainda a coragem de estar sozinho com suas próprias opiniões, vencer a tendência medíocre de não desenvolver todo o seu potencial.

Educar para a bondade, a solidariedade e a compaixão

O conhecimento desligado de um desejo de humanização gera apenas um saber sem amor, a prática da ciência por ela mesma ou pelo poder que possibilita, desligada da ética e da sua função social, vai apenas tornar o cientista insensível. A educação na perspectiva franciscana, busca criar empatia, capacidade de diálogo e partilha não somente do que temos mas do que somos. A humanidade precisa de pessoas bondosas, solidárias e compassivas, capazes de atuar como profissionais que não pensem somente em seu bem estar pessoal mas que se disponham a contribuir para uma sociedade mais fraterna.
A educação a partir dessa perspectiva franciscana mais do que nunca pode ser a resposta para ajudar a formar cidadão mais humanos e conscientes que ajam de forma coletiva pois se compreendem parte de um todo.

Missão

Acolher e Educar a pessoa, proporcionando-lhe o desenvolvimento integral, sua percepção analítico crítica política de mundo, sua capacidade humano criadora e a construção de conhecimento como possibilidade de realização pessoal e coletiva, na vivência dos valores evangélico-franciscanos, numa metodologia dinâmica que integra a ação-reflexão-ação, tornando-o protagonista da/na transformação da realidade.

Visão

Ser uma escola que cultiva a Paz e o Bem como valores de identidade e sensibilidade cristãs, vivenciados por Francisco de Assis, inserida na realidade local e aberta à realidade universal, aos novos desafios que emergem no mundo contemporâneo, capaz de conviver com os avanços tecnológicos, humanizando-os em favor da transformação social, potencializando os educandos para a construção de novos saberes, num ambiente que acolhe a vida, que oportuniza espaço de crescimento, de novas descobertas, de fortalecimento da autoestima, como lugar social educativo onde cada um sente-se parte de um todo e valorizado em sua dignidade.

Valores

Cultivar princípios e padrões éticos pelo exemplo de solidez moral, honestidade, respeito à vida, construindo um mundo solidário, de justiça e integridade na formação de pessoas reflexivo-críticas situadas na história, no tempo e no espaço, no racional e no afetivo.
Propiciar um tratamento justo a todos, valorizando o trabalho em equipe, estimulando um ambiente de aprendizagem, desenvolvimento, respeito, formação, colaboração e autoestima.